" Muitas são, Senhor meu Deus, as maravilhas que tens operado para conosco, e os teus pensamentos não se podem contar diante de ti; se eu os quisera anunciar, e deles falar, são mais do que se podem contar." (Salmos 40:5) " 

ATITUDES QUE AFASTAM PAIS E FILHOS


Ter uma relação bem próxima com os filhos é o que todos os pais desejam. Mas você sabe que essa é uma conquista que depende de muita dedicação e empenho. Isso porque algumas atitudes, mesmo que tomadas com a melhor das intenções, acabam por prejudicar o entendimento mútuo, tornando o convívio muito difícil.  
 
Julia Milani, pedagoga da assessoria educacional Terceiro Passo, explica que os comportamentos que geram a quebra de confiança e de respeito são os mais prejudiciais. “Os principais erros, nesse sentido, são as ações invasivas, quando a privacidade e as escolhas dos filhos não são respeitadas”, diz.
 
Muitas vezes, os pais agem querendo acertar, demonstrando cuidado, preocupação e afeto, mas é preciso encontrar um equilíbrio. “Devemos ter sempre em mente que o respeito e o diálogo são fundamentais para entendermos o outro”, afirma a especialista.
 
O que fazer?
 
A psicóloga Ceres Araújo explica que se mostrar próximo é muito diferente de se submeter à vontade das crianças. “O que vemos muito atualmente são pais que se sentem culpados por não darem toda a atenção que gostariam, mas acabam, com isso, fazendo concessões”, afirma.
 
Ou seja, você pode manter um vínculo forte e sincero sem se transformar em uma “refém” dos filhos, impondo limites com carinho. Além disso, não desanime diante das manhas e birras. “Muitas vezes, o que as crianças precisam é de ordem e disciplina, pois isso lhes dá a sensação de proteção e enriquece o relacionamento”, diz. 
 
O que não fazer?
 
Veja abaixo algumas atitudes que devem ser evitadas para que o seu convívio com os pequenos seja forte e saudável: 
 
  • Ausência: participar é fundamental. Levar trabalho para casa ou nunca estar disponível, por exemplo, pode dar a ideia de que você não valoriza seus filhos. Incentive atividades que despertem o interesse de todos, como a leitura e brincadeiras que estimulam o convívio familiar;
  • Críticas: elas fazem parte da educação, mas devem ser construtivas. Ao fazê-lo, tente sempre dar uma contrapartida, valorizando as atitudes boas da criança. Dessa maneira, você mostra o quanto sente orgulho dela;
  • Ambiente hostil: viver em uma casa em que os pais vivem brigando é prejudicial, ao ponto de os filhos verem os conflitos como parte da vida familiar. Se o casamento está com problemas, ou se o casal discorda de muitas coisas, aprofunde o diálogo longe das crianças e dê um basta às discussões desnecessárias. Além disso, invista em pequenas atitudes que revigoram o relacionamento;
  • Desconfiança: ouça os seus filhos e demonstre sua crença no que dizem. Mas, para isso, promova uma conversa aberta para que eles se sintam mais à vontade. Se disseram alguma mentira antes, não quer dizer que farão isso sempre;
  • Compensação material: não tente dar presentes em excesso, cedendo a qualquer pedido, para se sentir melhor. Além de enfraquecer a relação, as crianças não aprendem o valor do dinheiro e se acostumam a querer cada vez mais;
  • Falta de disciplina: muitos pais acreditam que dar liberdade ajuda a manter o convívio mais “amigável”. Mas os pequenos precisam aprender a obedecer e a ter limites, da infância à adolescência. Lógico que o controle em excesso não ajuda, assim como ser condescendente pode se transformar em descaso, o que faz com que a criança, muitas vezes, abuse para chamar a atenção.

FAMÍLIA: CONVIVÊNCIA HARMÔNICA E FELIZ

Brigas e discussões são inevitáveis. O importante é saber resolver os problemas com maturidade e respeito
Sua família vive discutindo e você fica triste, pois imagina que na casa de outras pessoas esses conflitos nunca acontecem? Muito difícil! “A família consiste na convivência íntima com pessoas de idades, hábitos e personalidades diferentes”, diz a terapeuta familiar Suzy Camacho. Em outras palavras: um campo propício para inevitáveis atritos. No entanto, viver em um clima de harmonia e respeito é possível.
 
“O relacionamento entre nora e sogra ainda é a principal causa dos desentendimentos”, conta Suzy. Isso acontece porque as duas mulheres costumam disputar a atenção do mesmo homem. “E, para piorar, as mulheres falam demais. Assim, acabam dizendo o que não deveriam e agravam o problema”, explica. A saída para uma convivência pacífica é evitar as situações de conflito e, se necessário, ter uma conversa sincera.

Mas as dificuldades nas relações entre os parentes não param por aí. Desentendimentos entre irmãos, cunhados, pais e filhos são comuns e, muitas vezes, se transformam em verdadeiras brigas. “É essencial que apenas as pessoas envolvidas no problema participem da discussão”, avisa Suzy. Para ela, uma das principais causas dos atritos em família é o envolvimento dos demais familiares, que tomam partido e, assim, tornam ainda mais grave a situação. Por isso, se você está aborrecido com seu cunhado – ou outro parente -, tenha uma conversa clara e franca. “Porém, não envolva outras pessoas em um problema que é só seu. E evite discutir, principalmente na frente das crianças. Esse é um erro que pode deixá-las tristes e inseguras”, alerta Suzy.

Em todos os lares, há momentos de irritação e discordância. O que faz toda a diferença é a forma com que os familiares agem diante dessas crises. Para que a harmonia e a compreensão superem as brigas, siga as dicas a seguir:
1 - Jamais discuta com a cabeça quente: conte até dez, respire fundo e só converse quando estiver calmo.
2 - Demonstre afeto: aprenda a expressar os sentimentos sem sentir vergonha deles.
3 - Perdoe: quem desculpa deixa de cultivar ressentimentos e fica livre para recomeçar a vida.
4 - Peça perdão: existe maior sinal de humildade do que admitir que você cometeu um erro? Conviver com outros também implica reconhecer seus próprios deslizes.
5 - Respeite os parentes do marido: dar-se bem com sogros e cunhados ajuda a manter o casamento forte e saudável, ainda que isso envolva engolir alguns “sapos” de vez em quando.
6 - Elogie: ao começar uma conversa, reconheça as qualidades da outra pessoa. “Essa atitude desarma, transformando-a em aliada”, explica a terapeuta.
7 - Evite comentar seus problemas familiares com outras pessoas: “Se precisar desabafar, fale com alguém de confiança, que dê bons conselhos”, orienta Suzy.
8 - Cuidado com o que fala: lembre-se de que as palavras podem magoar profundamente.
9 - Estabeleça limites: a convivência familiar é difícil porque todos pensam ter liberdade suficiente para interferir na vida do outro. Mostre que você preza a intimidade.
10 - Aprenda a conversar: muitos conflitos entre parentes podem ser facilmente resolvidos com o diálogo.


Pastores evangélicos fazem manifesto contra Marta Suplicy

Pastores evangélicos fazem manifesto contra Marta Suplicy

Representação de petista impediu realização de enquetes em rádio. Para pastores, decisão “fere livre manifestação de opinião e crença”.

(Fonte: G1) – Pastores evangélicos prometem entregar nesta quarta-feira (17) à coordenação da campanha de Marta Suplicy, um manifesto de repúdio contra a candidata do PT à Prefeitura de São Paulo.

O motivo, segundo os representantes do Conselho Nacional de Pastores do Brasil (CNPB) é uma representação, com pedido de liminar, impetrada pela coligação de Marta na 1ª Zona Eleitoral de São Paulo. A ação provocou a suspensão, pela Justiça, de enquetes sobre projetos de autoria de Marta, favoráveis ao aborto ou à união civil de casais homossexuais, realizadas pelo programa “Palavra de Vida”, veiculado pela rádio Musical FM.

“Vamos primeiro tentar sensibilizá-la. Estamos fazendo uma manifestação de repúdio porque estamos defendendo idéias que achamos corretas pela Bíblia. Estamos sendo injustiçados”, afirma o pastor Dilmo dos Santos, diretor da CNPP em São Paulo, que não descarta recorrer à Justiça pela volta das enquetes.

No manifesto, os pastores afirmam que a ação da candidata “fere a livre manifestação de opinião e crença daqueles que não pactuam com os mesmos pensamentos de cunho religioso”.

Em nota, a assessoria da coligação de Marta afirma que a liminar, concedida pelo juiz Marco Antonio Martin Vargas, “confirma que o conteúdo do programa ‘Palavras da Vida’, é calunioso”.

Segundo a assessoria, o juiz impede a emissora de manter no ar a enquete “Dona Marta ou a Bíblia”, por fazer críticas à postura da candidata.

“Reiteramos que a representação da coligação trata exclusivamente da prática de calúnia e difamação no programa da referida emissora. A candidata Marta Suplicy tem um histórico de apoio à liberdade religiosa e de respeito a todas as crenças”, diz o texto.

Segundo o pastor, as enquetes citavam o nome de Marta por ser ela a autora de projetos de lei sobre os temas. Ele nega que o manifesto tenha cunho político.

“O manifesto é do Conselho Nacional de Pastores do Brasil, que tem alguns representantes que são políticos, mas não é partidário”, afirma. O presidente do conselho, segundo Santos, é o também pastor Manoel Ferreira, deputado federal pelo PTB.

Reportagem por O Verbo

por O Verbo - Publicada em 28/12/2009
 
TOPO
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios