" Muitas são, Senhor meu Deus, as maravilhas que tens operado para conosco, e os teus pensamentos não se podem contar diante de ti; se eu os quisera anunciar, e deles falar, são mais do que se podem contar." (Salmos 40:5) " 

O casamento acabou, mas o bebê vem aí!


É difícil, mas dá para cuidar do filhote sem brigas exageradas


Um acidente de percurso e ops! a gravidez não planejada. Mas você e o pai do bebê já estão nas últimas do relacionamento ou nunca nem iniciaram uma relação de fato. A separação não precisa significar distanciamento nem na mais tenra idade , afirma o terapeuta familiar Arthur Müller.

Se a separação acontece logo após o nascimento, o primeiro passo é aceitar que o fim chegou. Buscar apoio em pessoas de confiança nessa hora é fundamental. Não alguém que, às vezes, ocupe o lugar de mãe do pequeno, mas que a faça se sentir cada vez mais capaz de assumir esse papel. O mesmo vale para o pai, que costuma sofrer duplamente, primeiro pela separação e segundo por ser privado de seu filho. É lógico que o pai não tem condições físicas de amamentar no peito, mas pode dar banho, trocar as fraldas e brincar com o bebê.

Tudo vai depender de como está o clima entre o ex-casal. Seria fácil sugerir que o pai pode levar o pequeno para passear no fim de semana, levar ao parquinho, mas isso não muda a situação de pai distante do filho.

Estamos no século XXI, não há mais espaço para pais de final de semana e de mães donas-de-casa. Pais e mães participantes significa que ambos terão possibilidades de desenvolvimento profissional , afirma Arthur.

Mas, afinal, o que é válido? Tudo que for realizado num clima bom para o desenvolvimento do bebê e da construção da identidade pai, mãe , filho é válido. O que não é admissível é a criança ser transformada em mercadoria de troca , alerta o terapeuta.

Se o clima anda meio nebuloso entre você e o pai do pequeno, pense bem: a situação é mal resolvida ou está mal resolvida? Calma, nós explicamos.

Se a situação é, significa que vocês sempre foram assim e, provavelmente, continuarão a ser após a separação esse caso é o mais grave.

Se está desse jeito, significa que a indisposição só deu as caras nos momentos próximos à separação e vai passar. Menos pior.

Se o ex-casal tinha cumplicidade e companheirismo, certamente, após os momentos iniciais da separação, terá boas condições de conversar medidas adequadas para o desenvolvimento do filho , afirma Arthur. Mas, se sempre tiveram problemas, não pense duas vezes: procure um especialista.
Psicólogos, advogados familiares ou assistentes sociais podem entrar em cena para encontrar a melhor solução, sem que isso afete o bebê. Afinal, mesmo com as desavenças, vocês irão concordar em pelo menos uma questão: precisam fazer de tudo para deixar o pequeno bem.
Quando os pais não estão se dando conta do que está acontecendo, sem que isso afete o bebê. Afinal, mesmo com todas as desavenças, vocês irão concordar em pelo menos uma questão: precisam fazer de tudo para deixar o pequeno bem.
Até agora, qual a sua maior dificuldade nos cuidados com
seu bebê? Por quê?

Nenhum comentário:

 
TOPO
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios