" Muitas são, Senhor meu Deus, as maravilhas que tens operado para conosco, e os teus pensamentos não se podem contar diante de ti; se eu os quisera anunciar, e deles falar, são mais do que se podem contar." (Salmos 40:5) " 

Dificuldades no relacionamento entre sogra e nora



Muitas vezes as duas travam um campo de batalha para conviver


O ato de duas pessoas se conhecerem, namorarem e casarem faz parte do desenvolvimento humano. Porém, muitas vezes o casal é composto por duas pessoas que têm enraizadas em si costumes, tradições, valores e rotinas muito diferentes uma da outra, e são justamente essas diferenças as responsáveis pela grande maioria dos problemas de relacionamento e os conflitos familiares.

Alguns casais quando passam a conviver sob o mesmo teto até conseguem estabelecer limites e acordos para que um respeite as idéias e os princípios do outro. O problema é que quando casamos, não casamos apenas com uma pessoa, mas sim com uma família que inclui pai, mãe, irmã, cunhado, cunhada, sogro, sogra e etc.

Culturalmente é sabida a dificuldade que muitas noras e sogras têm de se relacionar. Algumas passam a vida trocando farpas, outras não conseguem conversar e conviver no mesmo lugar e há até algumas que abandonam o relacionamento por conta da interferência constante da sogra na vida do casal. Esse problema não é novidade, pois segundo algumas pesquisas realizadas há três décadas a interferência dos sogros era o principal motivo de problemas conjugais.

Entre os principais motivos de intrigas e dificuldades nesse relacionamento, pode-se destacar o fato da nora ver a sogra como rival, a mãe ter a sensação de aquela outra mulher está lhe tirando o filho, a disputa pelo poder sobre aquele homem, a dificuldade em aceitar e conviver com as diferenças de opinião, a necessidade de atenção e o ciúme excessivo.

A mãe que tem uma forte relação de dependência com seu filho vê o casamento deste como uma forte separação sentimental que, facilmente, se transforma em repulsa ou ciúme para com a nora, que é quem lhe "rouba" o filho. Pode surgir, então, uma tendência, muitas vezes inconsciente, de criticar a nora em todas as suas ações e gestos, multiplicando os conselhos e tentando recolocar o filho sob sua influência.

Outro grande motivo de conflito é o fato de o filho sustentar financeiramente a mãe, pois muitas esposas acreditam que seus maridos são explorados, atribuindo a culpa disso às suas sogras.

A chegada de um neto é um acontecimento decisivo, pois a nora pode sentir-se despreparada para cuidar de uma criança e procurar o auxilio da sogra, ou então as duas podem disputar quem tem a melhor forma de cuidar e educar uma criança. Nessa fase é necessária muita atenção e cautela para que a mãe não transfira o seu ódio para o filho e a criança comece a evitar a avó.

Essa relação pode ficar ainda pior quando ambas necessitam morar na mesma residência, seja por dificuldades financeiras do casal ou pelo fato da sogra não ter condições de morar sozinha. O ideal seria evitar ao máximo morar junto com parentes, para que o relacionamento do casal não se desgaste ou sofra com interferências externas. Mas se a situação é inevitável, o ideal é que a sogra não interfira na vida da nora, evite frases maldosas e em hipótese alguma interfira nas brigas ou discussões do casal.

É sabido o quão desgastante é para ambas viver nesse conflito eterno, mas a situação é muito pior para o homem que fica entre a mãe e a esposa o tempo inteiro. O papel do marido/filho é fundamental no desenvolvimento da relação sogra-nora. Cabe a ele saber separar o amor de mãe e o amor de esposa e colocar estas duas mulheres nos seus lugares. O homem não deve dar motivo para que elas entrem em conflito (como por exemplo, contar o que uma diz da outra) e, se isso ocorrer, mesmo que independentemente de sua vontade, ele deve saber lidar com essa situação, tentando melhorá-la através de conversas com ambas e atitudes que demonstrem amor pela esposa e pela mãe

Mas será que esse relacionamento ruim tem jeito? Os conflitos e problemas podem e devem ser administrados de forma saudável. Se ambas (ou uma das partes) amadurecerem emocionalmente, poderão compreender-se mutuamente e tomarão consciência que não precisam competir, já que cada uma exerce um papel diferente na vida do homem. Provavelmente, este seja um grande desafio para ambas as partes, que necessita ser superado para que haja a construção de uma relação saudável.

Um comentário:

Cristiane disse...

Oi cintia,estou tendo problemas com minha sogra em relação ao ciúme dela,com minha filha de 1 ano.Ela criou uma obcessão por minha filha que parece uma doença,quando minha filha nasceu ela começou me tratar mal,me fazia passar vergonha até mesmo na frente da minha família,meu marido me apóia e não concorda com as atitudes dela.Ela tentou roubar minha autoridade com minha filha,já brigamos muito,não aguentei calada.Morre de ciúmes porque amamento minha filha até hoje,já arrancou minha filha dos meus braços com atitudes loucas.o pior que moro em cima da casa dela.Não dou mole pra ta entrando na minha casa toda hora,tem sido muito difícil.Detalhe tb é uma mulher cristã,mas tem essa obcessão por minha filha.sofri até mesmo no quarto do hospital com ela,que falou que nõa deveria ter feito cesária,que minhas unhas estavam sem fazer,já imaginou o que passei e ainda passo? não dou mole,vira e mexe me joga indireta,faz fofoca minha com a irmã que tb mora no mesmo lugar.tá sendo muito difícil,o pior que por questões financeiras não podemos morar em outro lugar.Acho que ela pensa porque não criou meu marido pq ela era irresponsável e a mãe dela criou,acho que ela quer fazer isso comigo,só que tenho 33 anos,e sei cuidar da minha filha muito bem. Me diz aí,sso é um tipo de doença?? qualque coisa pode me mandar uma resposta pelo meu email!! tá sendo muito difícil
ela pira se ficar um dia sem ver minha filha,fica de cara emburrada qd não desso com a menina,igual uma louca

 
TOPO
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios